“NESTE CAIS, PARA SEMPRE” – Novo livro com enfoque na Guerra Colonial: um desafio ao diálogo.

A Garça Editores tem o prazer de apresentar a sua última novidade editorial.
No ano em que se cumprem cinquenta e cinco anos sobre o início da Guerra Colonial que começou com os ataques por parte da UPA à esquadra da polícia e da reclusão em Luanda, Angola.
Sobre o evento acaba de ser publicado o ensaio/romance, “Neste cais, para sempre” da autoria do escritor e advogado transmontano Ernesto Salgado Areias. Trata-se de um livro de percursos e de espaços revelador das grandes transformações nos anos 60 e dos efeitos da Guerra na política do Estado Novo versando ainda sobre os anos de chumbo do regime.
Uma viagem pela ruralidade, a emigração clandestina e as vivências da linha de fronteira, as perseguições políticas do Estado Novo, a resistência ao regime e a emergência da Guerra Colonial. De permeio, viagens que vão de Chaves ao Rio de Janeiro no início do século XX, mais tarde ao cosmopolitismo de Paris, à Lisboa centro das decisões do regime e à Luanda efervescente do início da guerra.
Um livro de diáspora, de arrebatamento afetivo viajando as personagens de Cais em Cais; um livro de partidas e chegadas com personagens riquíssimas que sofreram na carne a mundividência de um tempo histórico muito concreto.
Destacamos a plasticidade da linguagem entre o urbano e o vernáculo rural com registos lexicais, quanto a esta parte, a não perder. Não sendo um livro de História conta em forma de ensaio a História de um tempo que esteve na origem da revolução de abril.
Um livro a não perder dado à estampa pela Garça Editores.
A obra foi dada a conhecer em Lisboa com apresentações na Ordem dos Advogados pela senhora Bastonária, Dra Elina Fraga, no dia seguinte, 29 de janeiro na Associação 25 de abril com apresentação pelo capitão de abril Santa Clara Gomes e no sábado, 30 com sala cheia no museu do Aljube com apresentação do historiador Luís Farinha com testemunho sobre a resistência da jornalista Diana Andringa.
Destacamos também o testemunho do doutor José Adalberto Coelho Alves sobre os Tribunais Plenários. Tudo isto podemos encontrar nesta obra riquíssima em acontecimentos.